Estou ciente de que os dados fornecidos são exclusivamente para cadastro mencionado no formulário. Após finalização, os dados serão armazenados pela Deltec Contabilidade de forma segura, apenas com a finalidade de manter histórico de atividades realizadas e sem hipótese de transmissão a terceiros, conforme Lei nº. 13.709/2018 - Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD)
HÁ MAIS DE 40 ANOS NO MERCADO




Comunicação Interna | Como recurso estratégico de gestão e engajamento de funcionários

Pense nisto: “uma empresa mostra-se por fora a partir de como ela é por dentro”. 

Agora pense também nisto: “uma empresa é fonte de informação e, atualmente, geradora de conteúdo para os mais diversos públicos, com especial destaque a seus funcionários”.

Os jargões e pensamentos acima, muitas vezes utilizados no campo da gestão, tratam da questão da comunicação feita pelas empresas nos espaços internos e externos, presenciais e digitais.

Compreende-se a partir destas referências que a comunicação ultrapassa as barreiras de ser considerada apenas como uma função técnica de informar, de maneira que, em termos práticos, ela coloca-se, principalmente nos tempos atuais, como ações estratégicas, demandando conceitos, práticas e referências adequadas à sua articulação no contexto dos negócios, tanto em abordagem institucional, comercial ou social, por exemplo.

O entendimento destes apontamentos coloca-se como consequência das ações que uma empresa desenvolve num contexto mais amplo, em termos de Comunicação Organizacional, conceito este que compreende um conjunto de ações adotadas para reforçar sua imagem com os públicos de interesse, conhecidos também como stakeholders, que são representados por funcionários, consumidores, grupos regulamentadores, investidores e sociedade, entre outros.

É oportuno destacar que, embora sejam tratados como sinônimos, deve-se ressaltar que a Comunicação Organizacional é, tem e trabalha conceitos diferentes de Comunicação Empresarial e Comunicação Corporativa, segundo diversos especialistas que são referências na discussão do assunto, dentre os quais se destacam Margarida M. Krohling Kunsch, Wilson Bueno da Costa, Tânia Casado e Gaudêncio Torquato.

Desta forma, caso você tenha interesse em aprofundar conhecimentos no assunto, para compreendê-lo em suas especificidades, recomenda-se consultar estudos e pesquisas desses especialistas, disponíveis, em grande maioria, nos meios digitais, de maneira gratuita e que fundamentaram parte destas discussões estabelecidas. 

Em termos práticos, a Comunicação Organizacional compreende praticamente todas as formas de comunicação da empresa, dentre as quais estão:
1) Comunicação Administrativa;
2) Comunicação Interna;
3) Comunicação Institucional; e,
4) Comunicação Mercadológica.

No que diz respeito à Comunicação Administrativa, seu foco está na conexão e transmissão de informações da gestão em si às áreas ou departamentos da própria empresa, no contexto de um fluxo que permite a materialização dos princípios da própria Administração (planejamento, organização, direção e controle) em processos e atividades, desdobrando e reverberando-se num processo estratégico, caracterizado como Comunicação Interna, que visa viabilizar a interação entre empresa e seus funcionários, em todos os níveis (de cima para baixo e de baixo para cima) e sentidos (horizontal e vertical), fazendo uso das conexões disponíveis pela Comunicação Institucional e Mercadológica. 

Quanto à Comunicação Institucional, a concentração está em promover e legitimar a imagem da empresa diante de stakeholders estratégicos, bem específicos, como consumidores, sociedade e investidores, por exemplo, concentrando-se na construção da identidade corporativa da empresa por meio de ações relacionados a áreas como Assessoria de Imprensa, Relações Públicas, Marketing Cultural e Social, dentre outros.

Por fim, quanto à Comunicação Mercadológica, seu objetivo é, por meio das áreas de Marketing e Vendas, por exemplo, promover e qualificar externamente a imagem da empresa, seus produtos e serviços.

Deve-se entender, portanto, que a articulação destes eixos da Comunicação Organizacional ocorre de maneira integrada, compreendendo uma conexão, em níveis e sentidos complementares, a todas as áreas da empresa, tendo em vista a necessidade de que seus objetivos e metas sejam assimilados no contexto de um planejamento estratégico organizacional estruturado e equipes, em suas respectivas áreas ou departamentos.

Tem-se, como consequência deste contexto, a Comunicação Organizacional Integrada, num modelo criado por Margarida Kunsch, decorrente de seus estudos e pesquisas sobre o assunto, conforme apresentado na figura 1:

Fonte: Disponível em (Clique Aqui)
Acesso em 09/04/21, às 11h00

É no contexto da Comunicação Organizacional Integrada, por meio da Comunicação Interna, que se consegue obter e criar um espaço adequado e estratégico, por exemplo, para a promoção da disponibilização de informações, motivação, alinhamento de atitudes e maior engajamento dos funcionários de uma empresa com suas diretrizes estratégicas, articulando diversas formas de relacionamento, participação, compartilhamento e geração de conteúdo e conhecimento para compreensão do que ocorre na empresa e o que se tem em termos de expectativas dos funcionários, das equipes, departamentos e áreas da empresa para entregas e resultados.

Há uma corrente na Comunicação Organizacional Integrada estabelecendo que a Comunicação Organizacional constitui-se de um processo de formação interna para os funcionários, motivo pelo qual deve operar seu alinhamento com a Cultura Organizacional e Comunicação Interna, havendo melhores resultados quando esta conexão se dá com empresas que possuem uma cultura que valoriza a comunicação como recurso e investimento estratégico.

Tal conexão tem relevante importância quando se trabalha na construção da jornada do funcionário e sua experiência, enquanto tal, numa empresa, contextualizadas no âmbito do Endomarketing, com vistas a engajar e gerar entregas mais assertivas e melhores performances, agregadas a uma trilha de conhecimento e aprendizado.

É pela disponibilização da informação que se tem os gatilhos para o envolvimento, integração e engajamento dos funcionários, com vistas a torná-los participantes ativos dos processos estabelecidos e vigentes na empresa, pois quando há o senso de envolvimento, enfim, de pertencimento nas decisões e compreensão de seus reflexos, automaticamente constrói-se o vínculo da compreensão de sua importância nos acontecimentos postos em práticas, dentro do raciocínio de que as pessoas só participam e engajam em assuntos e eventos com os quais se sentem reconhecidas e representadas.

Para tanto, a empresa deve saber fazer uso dos canais disponíveis de Comunicação Interna, envolvendo tanto os tradicionais quanto, principalmente, os digitais, para que a informação cumpra com essa sua função de geração de conteúdo e relacionamento da empresa, como pontos de contato, a todos os seus funcionários, adequando canal e mensagem, tornando, por exemplo, investimento (e não despesa!), com a presença digital, em redes sociais mais do que fundamental para este processo: afinal, a empresa precisa estar presente nos canais onde seus funcionários estão.

Abaixo apresentamos alguns destes canais:
1) Aplicativos corporativos próprios;
2) Aplicativos de mensagem ou offsite chat (Telegram, WhatsApp e Facebook Messenger);
3) Blogs;
4) Canais de vídeo e plataformas de streaming;
5) Chat ao vivo e chatbots;
6) E-mail corporativo;
7) Formulários de contato;
8) Fóruns de discussão;
9) Intranet e portal corporativo;
10) Jornais e revistas impressos e digitais;
11) Murais internos;
12) Newsletter digital;
13) Páginas de dúvidas frequentes (FAQ);
14) Podcasts;
15) Rádio Corporativa;
16) Rede social corporativa (Facebook, Twitter, Instagram, Pinterest, LinkedIn e YouTube);
17) SMS;
18) Telefone RH;
19) TV Corporativa;
20) Webinars.

No trabalho de conexão dos canais de Comunicação Interna é preciso compreender que cada um deles tem suas vantagens e desvantagens, compreensíveis a partir do momento de suas aplicações, formatos, objetivos, conteúdos e frequência de divulgação, por exemplo, e que precisam estar alinhados e conectados ao perfil de funcionários da empresa.

Além disto, deve-se considerar que sempre haverá novas formas, condições e ideias para suas articulações com o público interno das empresas.

A partir destas ponderações apresentadas, você já dispõe de elementos e condições para refletir sobre os níveis da Comunicação Organizacional de sua empresa, com especial destaque à Comunicação Interna, como a forma com que ela ocorre e, principalmente, como se dá, ou não (principalmente pela falta que ela possa fazer!), da dinâmica de uma Comunicação Organizacional Integrada.

As respostas a estes elementos de reflexão constituem um caminho para um modelo de gestão de sua empresa conectada a cenários contemporâneos.

Caso deseje saber mais sobre o assunto Comunicação Interna, no contexto específico com que o assunto está sendo abordado, recomendamos leitura de conteúdos preparados por Progic, empresa que trabalha com soluções de Comunicação Interna e TV Corporativae que também subsidiaram esta discussão: ( Clique Aqui )


Balaminut | maio 2021