Estou ciente de que os dados fornecidos são exclusivamente para cadastro mencionado no formulário. Após finalização, os dados serão armazenados pela Deltec Contabilidade de forma segura, apenas com a finalidade de manter histórico de atividades realizadas e sem hipótese de transmissão a terceiros, conforme Lei nº. 13.709/2018 - Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD)
Para mais informações, você pode visitar nossa Política de Privacidade.
HÁ MAIS DE 40 ANOS NO MERCADO




Como manter uma boa governança em tempos de guerra; confira


A guerra na Ucrânia completou seis meses no último dia 24 de agosto – e o fim do conflito ainda está longe. Desde então, Rússia e Ucrânia deixaram de exercer seus papéis como exportadoras de gás e commodities para o mundo, provocando um desequilíbrio econômico.

Os mercados de energia e combustíveis, fortemente afetados pelo novo contexto geopolítico, impactaram as empresas no mundo todo, que estão expostas, em maior ou menor grau, a efeitos diretos e indiretos da guerra.

Assim, o Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC) produziu um material com 14 dicas para contribuir com processos de decisão mais seguros e conscientes para operar nesse contexto, o “Governança em tempos de guerra”.

O documento avalia que existem dois tipos principais de impacto: os do contexto externo na empresa e os do posicionamento e das ações da companhia perante a guerra.

 

Confira os pontos levantados

A primeira dica é sempre identificar e monitorar riscos. É importante que o conselho ouça opiniões diferentes de especialistas sem vieses ideológicos, com o intuito de avaliar cada situação e propor um planejamento estratégico.

Assim, é fundamental garantir que as decisões sejam tomadas a partir de informações e dados obtidos a partir de fontes fidedignas, buscando a racionalidade do processo decisório do colegiado.

O objetivo é estabelecer fluxos claros e contínuos de comunicação entre os agentes de governança e os mais distintos stakeholders. A depender da materialidade dos riscos, pode ser necessário criar um comitê de crise.

O IBGC recomenda, então, que as empresas reavaliem a cadeira de valor da companhia. No caso da guerra na Ucrânia, os boicotes à Rússia obrigaram as empresas a substituir ou aumentar a diversificação de fornecedores.

O objetivo da medida é verificar se existe a  necessidade de mudanças nos canais de transporte e distribuição em função dos impactos da guerra.

Pode ser o caso, inclusive, de avaliar a necessidade de se desenvolver cadeias de produção regionais ou internas, para substituir as importações.

Outro ponto levantado é investir em cibersegurança, pois empresas privadas que atuem na região da guerra também podem ser alvos de ataques hacker.

Os possíveis impactos no câmbio e na inflação também precisa ser monitorado e, se preciso, reavaliar as estratégias de preços dos produtos e serviços.

Além das ações concretas, o IBGC ressaltou a importância de manter o compromisso com responsabilidade corporativa, em busca da redução de externalidades negativas e aumento das positivas.

Zelar pela preservação, segurança física, psicológica e material das pessoas. Além dos eventuais posicionamentos públicos sobre a guerra, para que sejam definidos após a avaliação de riscos.

Assegurar alinhamento estratégico e transparência nas doações e ajuda humanitária às vítimas.

Por fim, avaliar eventuais possibilidades de inovação e novos negócios em setores mais impactados pela guerra.

 

 

Fonte: Money Times | 20/09/2022