Estou ciente de que os dados fornecidos são exclusivamente para cadastro mencionado no formulário. Após finalização, os dados serão armazenados pela Deltec Contabilidade de forma segura, apenas com a finalidade de manter histórico de atividades realizadas e sem hipótese de transmissão a terceiros, conforme Lei nº. 13.709/2018 - Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD)
Para mais informações, você pode visitar nossa Política de Privacidade.
HÁ MAIS DE 40 ANOS NO MERCADO




Rotina e finanças: o impacto do planejamento da rotina em nossas decisões financeiras


Estamos vivendo em um mundo extremamente veloz, onde o consumo – de conteúdo, de coisas e até das relações – se reveste da efemeridade que impera no modelo global de viver.

Dentro dessa perspectiva, na qual somos impelidos a desfrutar da beleza dessa fugacidade, estariam nossas decisões financeiras alinhadas aos nossos objetivos? Ou estamos maquiando essa ausência de protagonismo com o consumo momentâneo de prazeres vendidos por terceiros?

Para viver suas finanças de forma protagonista é preciso se antecipar.

Como decidimos em nosso dia a dia


Estima-se que tomamos aproximadamente 35 mil decisões por dia. Para que isso aconteça, nosso organismo precisa entrar em uma configuração de otimização de energia para que ao final de cada dia não entremos num estado de estafa cognitiva.

Assim explica Daniel Kahneman, autor do livro ‘Rápido e Devagar – duas formas de pensar’, no qual ele traz as figuras do sistema 1 (rápido) e sistema 2 (devagar) como modos de pensar que se alternam de acordo com a nossa necessidade de decidir.

Na obra, o autor discorre que na maior parte do tempo tomamos decisões que exigem  mínimo esforço cognitivo (sistema 1), quase como em modo piloto automático. Bons exemplos seriam os de quando seguimos o trajeto de volta para casa, quando fazemos uma receita da qual fazemos diariamente ou mesmo ao apanharmos automaticamente uma caneta quando ela cai no chão.

Já o sistema 2 é acionado quando nos deparamos com questões desconhecidas que irão demandar um arranjo decisório mais complexo, como quando precisamos resolver uma questão de raciocínio lógico, desenvolver um novo projeto, ou mesmo organizar as finanças – principalmente se estiver começando o processo de organização financeira.

A essa equação, podemos acrescentar um ponto relevante que merece atenção: sobre a nossa constante (e eterna) busca pelo bem estar. Partindo dessa incansável busca é normal que tomemos decisões sempre pensando em atender esse desejo primário de conforto e prazer.

Assim com complexidade da rotina do mundo atual – com alto volume de informações, de estímulos, de tarefas – será natural que em meio ao caos busquemos tomar as decisões da forma mais rápida que estejam ao nosso alcance e que nos proporcionem o máximo de prazer possível, ou a menor dor possível dentre as opções.

O poder da organização de rotina nas suas finanças


Essa equação entre decisões, tempo e dinheiro pode ser melhor visualizada através da tríade abaixo:

A ilustração mostra como cada elemento interdepende do outro em uma relação diretamente proporcional e o ponto central é o equilíbrio entre esses três elementos em nossa rotina.

Lembrete: não somos robôs e o equilíbrio deve ser colocado de forma fluída e natural de acordo com cada fase da vida. A nossa rotina tem altos e baixos e o equilíbrio vem do ato de se reconhecer e se respeitar dentro desse contexto.

Da teoria à prática


Para sair um pouco da teoria e trazer para a prática, basta pensar: quantos deliveries de comida você já pediu por não ter organizado sua rotina alimentar da semana? Ou quando você tem uma semana cheia de compromissos e não consegue fazer a lista antes de passar no supermercado e acaba comprando itens repetidos, além de esquecer outros que estavam faltando.

A lista é infindável quando fazemos um leve esforço para lembrar dos deslizes financeiros que cometemos pela falta de planejamento.

Para que o planejamento financeiro funcione é preciso relacionar todos os eventos e compromissos, uma vez que seu orçamento deve refletir sua realidade. Não adianta prever valores na planilha e esquecer de inserir sua rotina nela.

Essa equação não irá bater.

As decisões financeiras que você toma são de acordo com o que você verdadeiramente vive, com seu nível de energia em determinados períodos do mês, tendo em vista que o cansaço é ingrediente com peso relevante na hora de consumir.


Exemplo: Na próxima quarta-feira terei uma sequência de reuniões, não terei tempo de levar comida de casa, colocarei na planilha a previsão de gasto de R$ 60,00 com almoço fora.

Fazer o mapeamento de rotina no início de cada semana é um forte aliado para tornar seu orçamento mais realista, além de conferir protagonismo nas suas finanças.

Fonte: MoneyTimes | 27/09/2022