Estou ciente de que os dados fornecidos são exclusivamente para cadastro mencionado no formulário. Após finalização, os dados serão armazenados pela Deltec Contabilidade de forma segura, apenas com a finalidade de manter histórico de atividades realizadas e sem hipótese de transmissão a terceiros, conforme Lei nº. 13.709/2018 - Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD)
Para mais informações, você pode visitar nossa Política de Privacidade.
HÁ MAIS DE 40 ANOS NO MERCADO




Conheça investimentos que protegem você da turbulência global


Em um mercado global tomado pela turbulência, é preciso blindar, ao menos em parte, o portfólio de investimentos. Alguns ativos financeiros são menos influenciados pelo noticiário. São os chamados ativos descorrelacionados. O nome complicado apresenta um conceito simples. São investimentos cujos movimentos de alta ou de baixa são menos influenciados pelos humores do mercado financeiro ou, no caso brasileiro, pelas oscilações da política.

A política e a economia são bons exemplos. Uma das grandes ameaças econômicas é a adoção, pelo próximo presidente, de uma gestão sem responsabilidade fiscal. “O investidor não tem nenhum controle sobre o resultado das eleições e nem como será a gestão pública pelos próximos anos. Contudo, a boa notícia é que a escolha dos ativos para a sua carteira de investimentos está totalmente em suas mãos”, afirma Fabrício Gonçalvez, CEO da Box Asset Management.

A recomendação do gestor é focar naquilo que se pode controlar. Neste sentido, diversificar os investimentos vai garantir mais controle e menos sustos ao longo do tempo. Isso favorece a tomada de decisões e a rentabilidade das aplicações.

Há poucas opções descorrelacionadas no mercado financeiro brasileiro. Porém, existem opções menos tradicionais, que oferecem rentabilidade atrativa no longo prazo e que servem de blindagem para as carteiras em momentos como o atual.
Uma opção para fugir da volatilidade provocada pela disputa eleitoral é o mercado de startups. Segundo Alcides Jarreta, cofundador da Efund, plataforma especializada em investimentos em startups, os resultados dessas empresas sofrem zero influência de qualquer política governamental ou de qualquer decisão do Banco Central (BC) sobre a taxa Selic.

Jarreta faz uma analogia com um pequeno comerciante que quer vender a loja e procura estabelecer um preço. O estabelecimento comercial não vai valer mais ou menos porque o candidato X foi eleito, e não o candidato Y. Seu valor será definido pelos seus fundamentos, como potencial de crescimento e lucratividade. O mesmo raciocínio vale para as startups.

São itens como o modelo de negócio, o tipo de produto e a qualificação do time que determinam o potencial de crescimento e o retorno esperado pelos investidores.


Ativos alternativos


Outra defesa contra as incertezas são os ativos alternativos. Dois deles são muito descorrelacionados, investimentos em royalties musicais e em obras de arte.

“Royalty musical depende da execução da obra nos streamings, rádios, shows e em outras mídias. Quanto mais tocada, mais pode render. Obra de arte é um segmento totalmente independente, voltado à classe alta e cuja valorização independe até mesmo das condições econômicas de um país. Se não houver compradores de obras por aqui, basta negociar no exterior”, diz Arthur Farache, CEO da Hurst Capital, especializada nesses ativos.

Ativos alternativos
Outra defesa contra as incertezas são os ativos alternativos. Dois deles são muito descorrelacionados, investimentos em royalties musicais e em obras de arte.

“Royalty musical depende da execução da obra nos streamings, rádios, shows e em outras mídias. Quanto mais tocada, mais pode render. Obra de arte é um segmento totalmente independente, voltado à classe alta e cuja valorização independe até mesmo das condições econômicas de um país. Se não houver compradores de obras por aqui, basta negociar no exterior”, diz Arthur Farache, CEO da Hurst Capital, especializada nesses ativos.

Ativos alternativos
Outra defesa contra as incertezas são os ativos alternativos. Dois deles são muito descorrelacionados, investimentos em royalties musicais e em obras de arte.

“Royalty musical depende da execução da obra nos streamings, rádios, shows e em outras mídias. Quanto mais tocada, mais pode render. Obra de arte é um segmento totalmente independente, voltado à classe alta e cuja valorização independe até mesmo das condições econômicas de um país. Se não houver compradores de obras por aqui, basta negociar no exterior”, diz Arthur Farache, CEO da Hurst Capital, especializada nesses ativos.

 

Fonte: Forbes | 27/09/2022